Selo vai agregar valor ao queijo do Marajó

Atualizado: 4 de Ago de 2020

O queijo do Marajó, que já é uma tradição para os paraenses, deverá em breve ser reconhecido pelo mundo inteiro. Isso porque o processo de Indicação Geográfica (IG) do produto caminha para a sua finalização.

Emanuel Lopes é produtor da CoopMarajó, uma cooperativa de produtores de leite e derivados da região, e vai ser um dos beneficiados com a Indicação Geográfica do queijo do Marajó. Mesmo com a produção reduzida nesta época de pandemia, ele continua abastecendo municípios do arquipélago marajoara.


A Indicação Geográfica é uma marca que atribui valor e identidade própria a um produto, evidenciando características como o local de onde vem, o solo e clima onde foi cultivado, o tratamento que foi dado, a cultura envolvida. Tudo isso com a garantia da origem e produção, que conferem ao produto uma qualidade única em relação aos outros semelhantes disponíveis no mercado. E é essa marca que o queijo do Marajó vai ter em breve.

A Associação dos Produtores de Queijo e Leite do Marajó (APQL Marajó) foi a responsável por fazer o pedido de Indicação Geográfica junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial, INPI. Não é um processo simples, que exigiu a parceria de diversas instituições, como o Sebrae, a Embrapa Amazônia Oriental, Secretarias de Governo, Fórum Técnico de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas do Estado do Pará, entre outros.

O selo do queijo do Marajó vai beneficiar não somente os produtores vinculados diretamente à associação, mas também todos aqueles que estão na região delimitada pela IG e que cumprirem as exigências técnicas de fabricação do produto.

Para Emanuel Lopes, o selo de Indicação Geográfica do queijo do Marajó vai trazer mais valor à bubalinocultura, mais reconhecimento aos produtores, mais turismo e mais desenvolvimento à região.


Disponível em: http://www.repileite.com.br/profiles/blogs/selo-vai-agregar-valor-ao-queijo-do-marajo

50 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo