O Fórum Técnico de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas do Estado do Pará – IG e Marcas Pará foi criado através de Portaria 338 da Secretaria de Turismo, em 07 de outubro de 2016 com a participação de 32 Institituições governamentais e não governamentais, com o objetivo de estudar, deliberar e propor diretrizes e políticas governamentais para a implantação de uma Política Estadual de Indicações Geográficas, tendo à frente o Prof. Álvaro Negrão do Espírito Santo.


Em abril de 2019, foi eleita a equipe de direção da gestão 2019/2021, coordenada pela Engª. Agrª Márcia de Pádua Bastos Tagore, pela Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca – SEDAP, vice-coordenado pelo Engº Agº Otávio César Durans de Oliveira, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, e pela Secretária Executiva a Sra. Julianna Saraiva, da Secretaria de Estado de Turismo – SETUR.


Congrega 35 instituições com representantes governamentais e da sociedade civil organizada comprometidas e dispostas a trabalhar pelo desenvolvimento dos produtos e serviços representativos da sociobiodiversidade da Amazônia, cuja base está fundamentada na valorização do reconhecimento, proteção e divulgação das Indicações Geográficas e Marcas Coletivas conformados pela identidade territorial.
Para efetivar as ações do Fórum foram criados 5 Grupos de Trabalho, cuja composição se dá por adesão, tendo como base fixa a participação da coordenação e da secretaria executiva do Fórum.


GT1 de Políticas Públicas tem como principal objetivo trabalhar a base legal de constituição do PROGRAMA ESTADUAL DE IG E MC DO ESTADO; 


GT2 de IG e Marcas Coletivas concedidas ou em processo junto ao INPI apoia as ações e demandas da IG do Cacau de Tomé-Açu, depositada junto ao INPI em 28/10/2014 e reconhecida em 29/01/2019; a IG do Queijo do Marajó depositada junto ao INPI em 29/12/2018; e a IG de Farinha de Bragança, depositada junto ao INPI em 05/01/2019, ambas em análise e a Marca Coletiva AÍRA; 


GT3 de IG e Marcas Coletivas potenciais tem como foco as demandas de potenciais IG e MC, tendo como base os trabalhos iniciados pelo SEBRAE com diagnósticos como: Açaí das Ilhas, Artesanato de Miriti, Castanha de Oriximiná, Farinha de Tapioca de Americano, Feijão Manteiguinha, Mel de Pirabas, Ostras do Salgado, Pimenta do Reino de Tomé-Açu, Piracuí de Prainha, Traçados de Arapiúns e Tucupi de Vigia; 


GT4 de Comunicação e Infraestrutura busca estruturar o Fórum, inclusive com plataforma digital como esta, que é fruto do trabalho desse grupo, ressaltando-se a contribuição da Federação das Associações de Municípios do Estado do Pará – FAMEP na construção do site; 


o GT5 foi criado para organizar e realizar o Seminário Internacional de Indicação Geográfica e Marcas Coletivas do Estado do Pará – SIGEMA, que passa a ser um evento oficial periódico do Fórum.


São muitos os desafios frente a dimensão e riqueza do Pará, e o Fórum tem o desafio de apoiar as organizações sociais na busca pelo reconhecimento do diferencial de seus produtos ou serviços, com foco no desenvolvimento dos diferentes territórios, envolvendo as múltiplas dimensões sustentáveis, social, ambiental e econômica.